segunda-feira, 1 de junho de 2009

Sinta, acredite e confie, as respostas então dentro de você.

“Ai, meu Deus, de novo! E lá está você roendo as unhas e se lamentando por mais uma vez ter feito a escolha errada, por mais uma vez ter acreditado em alguém que tanto te faz sofrer”.

Por que procuramos respostas sempre nas mesmas pessoas?

Por que somos tão dependentes disso?

O filme se repete, os personagens podem mudar, mas o roteiro e o final são sempre iguais.

E começam as perguntas, as cobranças e os questionamentos.

Por que estamos vivendo tudo isso novamente? Por que não conseguimos nos libertar desse tipo de relacionamento, mesmo sabendo o estrago que ele nos causa?

Bem vindo ao “ciclo do medo”.

No início, a gente se sente vítima, como se o outro tivesse nos enganado e nos manipulado. Assim, transferimos toda a culpa do nosso sofrimento a ele.

Mas no fundo, nós somos os únicos culpados. A escolha é sempre nossa. O grande problema é que estamos vivendo o tal ciclo, e mesmo sabendo o que nos faz mal, somos atraídos sempre para o mesmo caminho.

É o que eu chamo de “ilusão da auto dependência”.

A auto dependência, funciona como uma afirmação de que dependemos daquele tipo de relacionamento ou pessoa para viver. A verdade é que buscamos essa auto afirmação e esse relacionamento para fugir do novo, da nova vida, dos novos valores.

Sim, é um ciclo vicioso, o “ciclo do Medo”.

Por medo tentamos destruir o novo, fazendo uso de um velho conhecido, o sofrimento. Buscamos ele para nos fechar cada vez mais, e isso nos afasta do sentir, do acreditar e do confiar, que são fundamentais para quem quer traçar um novo caminho.

Mas todos me perguntam, será que alguém gosta de sofrer, será que existe algum prazer nisso?

Não, ninguém, mas o medo e falta de equilíbrio geram o sofrimento!

Sim, o medo paralisa as pessoas, e ele nasce do desequilíbrio entre o que pensamos e o que sentimos.

Se pensarmos que vamos sofrer novamente em um novo relacionamento, nos afastaremos do sentimento de amor, e usaremos as experiências do passado para nos auto afirmar que isso é real, e assim nos fecharemos cada dia mais.

O fato é que o medo e a a falta de crença no sentimento nos apresentam sempre as mesmas respostas.

Gastamos assim, mais energia bloqueando o novo, do que evitando o passado.

Mas então, qual é a saída?

Desafiar e vencer o medo!

E isso não é algo tão simples como parece. É um processo lento, que demanda tempo, mas ainda assim, um processo que depende só de você.

Para desafiá-lo precisamos desenvolver a capacidade de sentir, de acreditar e principalmente de confiar.

O equilíbrio entre esses três fatores é sempre o mais seguro e sólido, embora seja o mais difícil de ser trilhado. O amor só surge e cresce baseado nesses fatores.

Quando confiamos, sentimos e acreditamos, abrimos espaço para o novo e definitivamente enterramos os medos do passado, pois deixamos de lado as comparações e julgamentos.

Afinal, do que adianta pensar o amor de uma forma que você não sente? É preciso concretizar, tornar real, verdadeiro e belo. O amor existe para ser belo.

Precisamos entender a vida como uma soma de experiências e não uma sequência erros.

Ninguém está imune ao erro, mas pensar nele só atrairá mais energia negativa, fazendo com que a gente erre novamente.

Temos que aprender a viver entre erros e acertos e a cada dia construir uma nova realidade, tendo sempre claro, o que queremos e muito mais claro ainda o que não queremos.

Só assim fecharemos as portas do passado e abriremos espaço para uma nova vida, nos libertaremos do medo e não faremos mais uso da auto afirmação.

E o dia em que você se der uma nova chance, terá a certeza de que já viveu tudo nessa vida, menos amor.

Sinta, acredite e confie, as respostas então dentro de você.

 

11 comentários:

Damaris disse...

Sempre seus artigos alcançando nossas almas, no mais profundo e distante de nosso esconderijo... Estou na fase do desistir, não acreditar mais e recolher os cacos que sobraram e seguir sem quase nenhum objetivo a alcançar...

Mariana - missmari_br@hotmail.com disse...

Como é difícil romper padrões de relacionamento negativos...
Como nos vemos sempre no mesmo enredo, com personagens diferentes...
Eu tenho uma dúvida: ou esse post foi feito exatamente para mim ou ele toca em uma situação tão comum para nós todos, que se encaixa na vida de qualquer pessoa...
Mas eu acrescentaria algo: a nossa relação primordial é a relação que temos conosco mesmos.
A partir de nós mesmos, da auto-aceitação, do auto-respeito e, porque não dizer : do amor incondicional por nós mesmos, conseguimos atingir um outro patamar e aí abrimos um espaço para a mudança verdadeira.
Por amor incondicional não se entende egoísmo ou falta de amor ao próximo, e sim nos valorizarmos por aquilo que verdadeiramente somos. Daí surge a autoconfiança para promover as mudanças que queremos em nossas vidas.

Um beijo, Fernando! Valeu, muito obrigada mesmo pelo texto.

Anônimo disse...

Sempre leio tudo o que vc escrve e adoro suas reflexoes, realmente mtas vezes nos faz pensar na vida, nos caminhos q escolhemos e nas atitudes q tomamos, mas será mesmo q o ciclo do medo nunca vai acabar? Vc escreve muito bem!!! Parabéns
*tas

isa_bela.ferreira disse...

Eis a questão...esse medo é próprio ou medo de uma sociedade?
Eu também já me peguei muitas vezes tentando mudar o caminho, mas percebo que as pessoas ao meu redor mudariam completamente o seu tratamento comigo.
Um abraço!
Mirela

Renata Lopez da Silva disse...

Realmente, ja vivi td, menos amor.
ja me dei muitas xances, e sempre quebrei a kra..Vivo cada dia com a esperança de qndo eu me der a proxima xance essa valerá a pena!!

Anônimo disse...

Parabéns!!!
Caraca!!!!!!!!

Que habilidade com as palavras, que pesnsamento límpido, para falar de sentimentos e emoções.

Valeu!!!!!
Vou te visitar mais vezes

Curitibana

Anônimo disse...

Desafiar o medo, eis a questão.. Por vezes nos sentimos estimulados a romper com o que nos trás sofrimento. Mas a falta de coragem nos faz acreditar que somos incapazes, nos instigando a revisitar e reviver antigos sentimentos...

Damaris disse...

Hoje ao reler seu artigo, percebi que já fiz esse caminho, o de sentir, acreditar e confiar... E fui ladeira abaixo, como nos tempos em que apenas idealizava, por que? Será que lá no fundo, havia o tal"ciclo do medo" agindo? bjs!

Ana disse...

Muitas vezes deixamos de viver e sentir tantas coisas boas, por insegurança, medo... Tentando evitar futuras frustrações, mas essas privações nos limita de viver.

Fernando, adoro o que você escreve. Abraço!!

**Meu amor é infinito** disse...

É incrivel como suas mensagens são profundas e verdadeiras, as vezes tenho a impressão que você escreve direcionado a minha pessoa, mais a realidade é que nós seres humanos não somos muito diferentes.
Amei essa mensagem e tiro muito proveito de minha vida!!!

Abraços!!!

Ana Maria Reis

Anônimo disse...

realmente tua habilidade em falar de sentimentos nos amedronta pq toca bem no fundo se encaixando com algo que estamos vivendo no hoj ou no passado isso nos faz entender que vc e um misterio e que precisamos te desvendar

parabens pelo simples gesto de dividir um pouco de seus pensamentos sabios bjusss!!! Estefania