sexta-feira, 12 de junho de 2009

Portas

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final.
Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver”.

O seu relacionamento acabou? Por que? 
Você acha que viveu ele em todas as etapas, início, meio e final?

Tem certeza que não deixou nenhuma porta encostada, nenhuma etapa para trás?

Nada é mais perigoso do que sair de um relacionamento e deixar uma porta encostada. Ela não está aberta para você entrar novamente e não está fechada definitivamente para que você consiga seguir sua vida tendo força para abrir novas portas.

Portas encostadas são obras de amores mal resolvidos, que por um ou outro motivo deixaram suas marcas. São como feridas em cicatrização, a dor não é insuportável, mas é constante, incomoda, perturba.

Uma porta encostada nunca se fechará sozinha, não existe tempo para isso. 
Para ela se fechar, ela precisa da sua ajuda. Só o seu empurrão pode fecha-la.

E para se fechar a porta de um amor mal resolvido, ele tem que ser vivido em sua totalidade. É preciso passar por todas etapas, atração, paixão, amor, convivência, amizade, brigas e fim. Este trajeto do amor pode ser percorrido em algumas semanas ou durar muito tempo, mas é importante que o ciclo se feche. Caso isso não aconteça, ficarão as fantasias, as idealizações e a persistência, mesmo tendo plena consciência de como essa relação faz mal. 
É o fechamento da porta que libera a gente para ser feliz novamente.

Quando você termina um relacionamento antes do ciclo se completar, você simplesmente deixa inumeros sentimentos e vontades de lado, como se isso nunca tivesse existido. 
Mas como você pode deixar tudo isso de lado? 
Não, você não pode. Você pode simplesmente esconder no inconsciente. Assim, na superfície você pode se tornar amoroso, mas lá no fundo o tumulto está escondido. Mais cedo ou mais tarde, em um momento de carência ou dúvida esse sentimento vai se manifestar e você irá sofrer com esses altos e baixos.

Por isso eu digo, um relacionamento não precisa ser eterno, mas ele precisa ser total. A sua totalidade, trás a liberdade de sentimento, que é o mais importante anseio do homem. Consiga tudo, mas se você não for livre, ficará sempre uma dor.

Se você “deve algo” ao seu antigo namorado, marido, caso, dedique um tempo a resolver isso. Nunca “esteja em débito” com algo que lhe faz mal. Coloque um fim, e bata essa porta definitivamente. 
Não viva tentanto se enganar, mentindo para você mesmo. Aquele que mente, vive em mentiras e atrai mentiras. E as pessoas só conseguem estar conectadas com a existência através da verdade.

Não existe nada de errado em assumir a sua verdade, em assumir que o seu relacionamento deixou marcas que precisam ser resolvidas.

Não deixe que o ego fale mais alto. Você sabe que o sentimento existe, que a porta está encostada.

Na maioria das vezes você não precisa nem estar junto da pessoa para fechar essa porta, basta assumir, encarrar de frente, falar dos seus sentimentos.

Você só precisa assumir que está neste estado temporariamente, e logo ele mudará, basta você perder o medo de falar dele, de pensar nele. Não trate isso como um segredo. Trate isso como um compromisso que precisa ser resolvido, e não prorogue nem mais 1 dia.

Desmistifique-o, liberte seus sentimentos, assuma os riscos e seja feliz. Fale das suas dúvidas, dos seus sentimentos com alguém que você confia, eleja um amigo, alguém que realmente goste de você, e se abra. Quanto mais tempo você guardar esse sentimento só para você, mais perdida e sem saída você ficará.

A vida é generosa, outras portas se abrirão assim que você fechar essa. E a vida enriquece quem se arrisca. Ela privilegia quem descobre seus segredos. Mas a vida também pode ser dura e cruel. Se você não ultrapassar a porta encostada, terá sempre a mesma porta pela frente.

É a repetição perante a criação, é a estagnação da vida. 
Entenda de uma vez que as portas não são obstáculos, mas diferentes passagens!

48 comentários:

Juliana Emy Yokomizo disse...

Oi! É o primeiro post seu que vejo... Achei bem legal. E concordo plenamente, inclusive e talvez infelizmente no que diz respeito à dificuldade de fechar tais portas. Muita gente sofre com isso e algumas palavras assim, como essas, podem ajudar.

Abraços!

Claret Soares disse...

Adorei este seua artigo, Fernando. Você trata a questão com sensibilidade e clareza.
Grata,
Claret
www.palavra-arte.blogspot.com

European Brechó disse...

Olá Fernando!

Adorei o teu blog!!



beijos
Roberta

Sheila Camille disse...

Muitissimo interessante o tema obordado, pra falar a verdade nunca tinha pensado nisso.
Algumas coisas q li bateram de frente comigo.
Fernando gostei muito de seu post.

Fika c Deus.

Xero.

PRICILA disse...

Olá, Fernando!
Li seu artigo postado na página do yahoo. É simplesmente perfeito! Era tudo o que eu precisava, pode acreditar... Cada linha, cada palavra... Parabéns! Um gde abraço, Pricila

Anônimo disse...

perfeito brother... passo exatamente por isso no momento - um relacionamento mal resolvido! Nunca tinha lido seu blog. Vi hoje graças ao yahoo, parabéns!

Anônimo disse...

Fernando, seu artigo foi realmente surpreendente. Numa época em que se fala somente de paixão devido ao dia dos namorados, para nós que sofremos uma decepção, é um alento e tanto nos depararmos com um texto destes, um verdadeiro presente. Parabéns pela sensibilidade!
Um abraço,
Mari

Bethania disse...

Nossa!!! Acho que vc escreveu esse artigo pra mim... Entrei no yahoo para ler meus e-mail e logo visualizei seu artigo, entrei por curiosidade e foi assim... como um tapa com luvas de pelica para que eu pudesse acordar...
Obrigada... aodrei seu blog... sempre entrarei... abraços...
Bethânia

Tânia Pardinho disse...

Olá Fernando, ao abrir meu email no yahoo, encontrei seu artigo. Quero parabenizar pela maneira que você se expressou, por usar a ilustração da porta. Eu estou vivendo exatamente uma situação similar, minha porta está encostada e preciso fecha-la.

Abraço!

Anônimo disse...

Adorei esse texto... Concordo mesmo com cada palavra e me fez refletir muito! Indiquei também para algumas pessoas que precisam ler isso...

Daiane disse...

Nossa menino,adorei teu artigo...Vi ele no yahoo e dai abri teu blog,e li os outros textos que vc escreveu...Todos muito bons.É muito difícil encontrar um blog assim,q prende a atenção da gente..Muito muito muito interessante mesmo...Adorei Fernando...Parabénssss....Muito Sucesso pra ti!!!

Kelly Cris disse...

Boa tarde, Fernando!

Li sua matéria sobre as portas encostadas. Concordo em alguns pontos com vc sim, mas tenho uma pergunta. O que fazer quando um relacionamento te faz mal e vc não quer levá-lo p/frente, mesmo sofrendo? Estou nessa situação, já tive 2 tentativas que me levaram a crer, que esse relacionamento não me fará feliz. E resolvi sair de vez. Mas sofro. O que fazer?

doutor(A) FILMES disse...

Magic Doors by Portishead.

Ks
Meg

Anônimo disse...

Muito verdadeiro seu artigo.
Adorei a frase "...a vida enriquece quem se arrisca".
Preciso me arriscar mais!

*Glá* disse...

Nossa foi a primeira vez que li um post, e nesse caso foi mto bom, afinal acho que tenho passado por essa situação...
Que bom acredito que refletirei melhor sobre essas portas...

Bjos.

Glacimar

Anônimo disse...

ola! estou passando por isto,terminei um relacionamento a cerca de 2 anos e ainda nao fechei a tais "portas" ; tenho medo de novos relacionamentos para nao me machucar. Parabens pelo blog

Anônimo disse...

Fernando,
Seu texto é incrível. Vc não sabe como ele foi útil. Estou muito impressionada, vc resumiu muita coisa boa. Poderia ser um livro. Eu compraria.
Um abraço

Claudia Elias
cordelaranja@yahoo.com.br

fenix1608 disse...

Fernando:
Você deve ter lido muita gente comentar que esse texto "era tudo que eu precisava ler nesse momento" E eu não vou ser diferente; é isso mesmo. Mas te confesso; DOI. Sim, a verdade doi mas liberta. Estou passando por uma situação parecida; a porta entreaberta de uma relação que muito me machucou e que por muitas vezes me pego lambendo as mesmas feridas abertas. Já foi muito pior, mas como você mesmo disse, algum re-sentimento ainda persiste. Obrigada por compartilhar de suas ideias conosco. Abraços!

Anônimo disse...

Fernando,
Seu texto é incrível. Vc não sabe como ele foi útil. Estou muito impressionada, vc resumiu muita coisa boa. Poderia ser um livro. Eu compraria.
Um abraço

Claudia Elias
cordelaranja@yahoo.com.br

Marcio disse...

Parabéns.
ótimas palavras!
Abs
Cristina

dulcinéiadulcedulcíssima disse...

Adorei sua matéria , de amores mal resolvidos.Até coloquei no meu blog.
Se vc não se importar.
Ajudaremos os necessitados de achar uma porta.
Continuarei visitando seu blog, achei interessante.
Bjos

dulcinéiadulcedulcíssima disse...

Olá Fernando!!
Vi seu texto no Yahoo, adorei.
Também ,coloquei no meu blog seu texto, uma maneira de ajudar quem está com porta escostada.
Parabéns!

Anônimo disse...

O artigo é maravilhoso e deve ter saido la do fundo da alma. Espero que ele alcance muitas pessoas, que o tenham lido e que apartir desse momento possam dar outro rumo as suas histórias.

Lícia Regina disse...

Fernando,
Muito bom seu texto, linguagem direta,clara e objetiva.
Tb me identifiquei com o msm. Tenho um amor mal resolvido.Mas já fiz tudo isso que você escreveu, e tenho a impressão que continua mal resolvido. Recebi a indicação de leitura de uma prima,q disse ser a minha kra o texto quando a msm leu.Portanto,percebi que continuo com esse relacionamento mal resolvidoaté p terceiros.
COncordo c vc em muitas partes!Mas como fechar uma porta, falar de um sentimento e não queimar etapas, se para vivenciar algumas etapas precisamos da outra parte da relação?! Quando sabemos que precisamos viver aquela etapa para que possamos colocar um fim, e o outro não quer, não permite..enfim...podes me explicar o q vc pensa?!
Obrigadaaaa Lícia

Gabriela Castelo disse...

"A vida é generosa, outras portas se abrirão assim que você fechar essa. E a vida enriquece quem se arrisca. Ela privilegia quem descobre seus segredos. Mas a vida também pode ser dura e cruel. Se você não ultrapassar a porta encostada, terá sempre a mesma porta pela frente."

Li esse trecho e fiquei extremamente tocada. Você falou tudo o que eu queria ler.

A vida tem disso mesmo.

fall disse...

Eu estou vivenciando uma situação bem parecida, não consegui ainda fechar minha porta, ela continua encostada, porém depois que li este artigo, creio que conseguirei encontrar a chave, bem como a fechadura.
É um presente nos depararmos com um texto destes, especialmente no dia dos namorados. Parabéns pela clareza e sensibilidade!
Um abraço muito afetuoso,
Fátima

lindinh@ disse...

Oi, Fernando!
Adorei seu post...parece até que vc escreveu pra mim, pois estou vivendo uma situação parecida, onde estou tentando fechar a porta.
Muito bom os seus textos! Bjos

Anônimo disse...

Muito bonito! Mas,não deixem de olhar o texto em que esse post se baseou (do maravilhoso Dr. Içami Tiba): http://www.hotpoems.110mb.com/reflexoes/portas.htm

Ursula Jahara disse...

Agradeço!

:)

Luz!

Fabiana Ribeiro disse...

Olá, Fernando!
Vi seu texto no yahoo e vi p link do seu blog. Aqui estou para dizer que seu texto me ajudou muito. Parece que você escrevu pra mim.
Muitíssimo obrigada!
Fabi

Gra disse...

Deveríamos ter a idéia de "Que seja eterno enquanto dure". No entanto, a realidade é bem diferente e para as pessoas é muito difícil aceitar que existem etapas nas nossas vidas e que essas devem ser respeitadas de acordo com cada momento; umas para nos ensinar, outras para nos fortalecer, e por fim, agregar novos conhecimentos e valores.

Crístofer disse...

Olá adorei o Artigo Fernando, porém não entendi o por quê de todo o artigo estar sempre no feminino como se só as mulheres sofressem. Sabemos que é uma forma equivocada pensar que homem não chora, não sofre, não consegue também fechar a própria porta. Sei bem disso, pois sinto que minha porta ainda está entre aberta e a um bom tempo vejo aquela "fresta" me atormentar. Hoje em especial é um dia triste e frio para alguns apaixonados que não tem a pessoa que realmente amam a seu lado. Esse é meu caso e espero sinceramente coseguir fechar minha porta e abrir novamente minhas janelas d´alma.
abraço a todos
Crístofer Magro

Aline Martins disse...

Obrigada Fernando... seu blog me ajudou muito... a clarear meus caminhos..
As vezes a gente não sabe o quanto nossas palavras podem atingir pessoas, que loucura esse negócio de blog, sem imaginar você pode ajudar pessoas com seus pensamentos compartilhados...semeando o bem via internet... um abraço

Luciane disse...

Amei sua opinião.
Beijos.
Luciane

ACONTECEU (de: Luciane A. Vieira – 25/03/2007 – 23:51h)


Novamente só no turbilhão

Desta vida

Como uma fera ferida

Com a alma sentindo, em si,

O pranto.



Outra vez, apenas mais uma

Vez a chaga sangra e padece

De uma nova solidão que parece

Ser meu destino no mundo...

Um mero segundo...



Mais uma incerteza se instala

No coração tão machucado

Que insano se marca,

Se chora, se humilha,

E se fecha uma vez mais...

(entre no meu blog: http://lucianeapv.blogspot.com/)

Anônimo disse...

Fernando,
Adoreiii seu artigo. Você trata do assunto com clareza, tentando simplificar o máximo a questão que aflinge tanto os corações das pessoas.
Venho passando por isso a algum tempo, e já não sabia mais o que fazer pra conseguir fechar essa porta de vez.

Obrigada.

maria regina domingos disse...

É o bendito apego, porque nos apegamos a algo que não nos serve mais??
Teu texto é um alento...
Parabéns!!

Anônimo disse...

Olá Fernando, seu artigo parece que foi escrito para mim. É exatamente assim que me sinto,e agradeço por suas palavras. Faz sete anos que estou perante essa porta e nao consigo fechá-la de vez. Sinto que jamais conseguirei.
Obrigada.

Damaris disse...

Oi Fernando! Ontem quis ficar um pouco longe de tudo, evitei acessar mídias, etc... Afinal, nessa data "dia dos namorados" não é uma boa data para quem está com o coração ferido. Mal sabia eu, que o seu artigo estaria aqui para nos acalentar e nos ensinar a fechar "portas" que deixamos encostadas... Amei! Como sempre, voce fala direto a nossa alma, sem rodeios, vai direto ao ponto!Valeu!!! Bjs!

cristal disse...

"Dia dos namorados", um dia onde todos estão focados no mesmo assunto, a correria de ultima hora pra se comprar o presente, onde ir com a pessoa amada, etc... etc... etc... E voce vem, meio que em contra-mão da notícia, mas em direçaõ a nós solitários de plantão, rsrs... Parabéns pela sua sensibilidade de alma!

Ana disse...

Ótimo artigo, Fernando!! As vezes estamos apenas preciando de uma iniciativa para nos resolvermos e aí está! Abraços!

Natália disse...

Parabéns Fernando! Adorei seu artigo...O descobri pelo yahoo no dia dos namorados! rsrs..
Que Deus te abençõe para continuar postando, pois aposto que ajuda muitos com seu conhecimento e experiência, acredito!
Beijão

Alice Maravilha disse...

Perfeito o seu texto, ateh colei no meu blog, com o link para o seu blog claro, mas muito bom!!! muita coisa que as pessoas precisam saber =DD
PArabéns

Beijo

Brunna Bonino disse...

Muito bacana seu post Fernando.
Nesse momento da minha vida era o que eu estava precisando ler e que caiu como uma luva.
Estou fazendo isso que o seu texto diz, tentando fechar a porta..
Vou aproveitar cada linha.
Abraços..!!

Misterious Girl disse...

Fernando!
parabens pelo texto, ah como eu queria q o "L" lesse isso!
ai ai!
fechando a porta pra ele!
beijos

Emilie disse...

Li seu artigo através do Yahoo e coube a mim como uma luva.
Esclareceu-me coisas que há 2 anos eu tentava buscar respostas (considerando que eu já achava que não existiam respostas para as minhas perguntas!).
Esse lance de amor interrompido é terrível!
Eu achava que nunca mais ia amar, enquanto a vida dele continuava girando e a minha estava estagnada.
Meus sorrisos não eram francos.
Eram apenas pras outras pessoas pararem de me encher o saco, por conta da minha cara triste.
2 anos após, eu aceito e interpreto de outra maneira, mas foi muito doloroso.
Espero que seu texto tenha esclarecido pra outras pessoas o que esclareceu a mim!
E que ninguém demore 2 anos, como eu, pra entender que TUDO CHEGA A UMA ETAPA FINAL, mesmo que o fim não seja como você sonha!

Realmente, obrigada
Sucesso!

Bi disse...

Oi Fernando! Nossa! Este post era tudo que estava precisando ler hoje. Gostei muito!
Abraço.

Anônimo disse...

Fernando... agradeço ao universo por ter lido sua matéria pleno dia dos namorados, apesar de que ela me trouxe mais dor ao invés de trazer alívio como algumas pessoas aqui dizem... Agradeço então, porque vejo o quanto preciso entrar em contato com essa dor e eliminá-la de uma vez por todas. Vejo com angústia que ainda não consegui fechar essa porta depois 1 ano e 4 meses. No meu caso a outra pessoa estancou o relacionamento, e em parte por minha causa. É uma história de idas e vindas, onde não houve uma chance para nós de vivermos todas as etapas. Nas "vindas", algo acontecia e mesmo com a vontade de ir adiante o relacionamento simplesmnete acabava. Gostaria muito de falar com vc sobre isso. Será que preciso de ajuda especializada? O fato é que ele deu continuidade a vida dele e eu não consegui engatar nenhum outro relacionamento(não por falta de vontade) desde que conheci ele. Sabe aquela música ?? "quando a gente tenta de toda maneira dele se guardar...sentimento ilhado, morto e amordaçado volta a incomodar" Tentei matar esse sentimento, pois algo que fiz me afastou dessa pessoa. Magoei ele sem querer de tal maneira que ele se foi de uma forma brusca, fechando a porta dele. Tenho uma vida completamente normal, vida social, trabalho, hobbies, paixões, objetivos profissionais bem traçados... Mas... nos dias de tpm e nas crises de carência/solidão as coisas mudam muito de figura...é uma droga! rss Sem querer menosprezar a dor que os homens tb passam, creio que casos mal resolvidos atacam com força total à nós mulheres que sofremos dessas variações hormonais/psicológicas.O caos total, sabe...
Até o dia que li sua matéria achava que era só isso. Agora não sei mais... tenho medo que minha porta ainda esteja aberta e não sei como poderia fechá-la. Acho que estou numa fria!!!!, trocando em miúdos... Outros fatos: algumas coisas me lembram ele com certa frequência sabe, pequenas coisas, pequenos detalhes, e quando conheço alguém me pego comparando com ele, sabe... Ele foi uma presença muito marcante em minha vida e esses fatos me incomodam algumas vezes, como vc disse uma dor constante, intermitente...
O que vc pode me dizer?
Abraços... e sucesso! que vc possa alcançar cada vez mais pessoas ajudando-as.
Márcia Vasconcelos
Salvador-BA
marcinhanasopinha@yahoo.com.br

Gra Cristina disse...

Oi Fernando, tudo bem?

E aí? Sobre o que pensa em escrever agora? Estive pensando e acho que seria legal um post sobre "Os Amigos". Não sei se você já escreveu sobre, não vi, mas como dizem ...

"Amigos são a família que Deus nos permitiu escolher"

Um Abraço,