terça-feira, 18 de novembro de 2008

O amor existe para ser belo.

O encanto inicial, a primeira conversa, os bons momentos que partilham juntos. Tudo é novidade, tudo se resume na vontade de estar ao lado do outro.
Declarações de amor, não existem defeitos, apenas as qualidades são levadas em consideração, neste momento a individualidade e a naturalidade ainda fazem parte de cada ser. Até chegarem a conclusão que encontraram a pessoa certa, encontraram o verdadeiro amor.
Algum tempo passa, e resolvem assumir a relação. O convívio diário, as pressões, as difculdades, o convívio dentro de um território até então desconhecido, o território do outro.
É neste momento que os defeitos e as diferenças começam a fazer parte do relacionamento. O diálogo já não é mais o mesmo, as acusações começam a aparecer. O carinho e amor de pouco tempo atrás da espaço para as acusações, brigas e a falta de respeito.
Cada qual quer moldar seu parceiro da sua maneira. Fazé-lo pensar como ele pensa, agir como age. Exige que os 2 se tornem apenas um. E a partir do momento que isso acontece o casal perde a sua referência, perde a sua individualidade.
Aquele amor que parecia eterno no início, começa a se transformar em uma ilusão.
Onde foi parar aquela pessoa maravilhosa? Onde foram parar as declarações de amor?
É neste momento que chegam a conclusão de que o amor não existe, que foram enganados pelo destino e transferem toda a culpa do relacionamento não ter dado certo ao outro. Este é o momento de nomear os culpados.
Não conseguem enxergar onde está o erro. E com isso muitos namoros, noivados e casamentos se desfazem.
As razões para que os relacionamentos cheguem ao fim é porque o respeito pelo outro e a consideração se desfazem. O casal deixa de ser individual.
O ciume toma conta do coração, a desconfiança se faz presente e o desejo de moldar o parceiro a sua meneira destroe qualquer sentimento de amor.
É neste momento que apacerece a falta do amor próprio e a pessoa começa a buscar no outro as respostas para tudo em sua vida. Neste momento a insegurança aparece, aumentando ainda mais o ciúmes, as brigas e o fim do relacionamento é uma questão de tempo.
Esquecem que quando se conheceram, eram cheios de vida, projetos, sonhos e ideais. Esquecem que eram ‘individuais’, esquecem que eram seguros de si, esquecem que esqueceram de si mesmos. 
Afinal, quem poderia imaginar que aquela pessoa se revelaria de forma oposta a tudo aquilo que conhecera?
Será mesmo? Será que esta pessoa no fundo já não era alguém um tanto afastado da realidade e se empolgou nos delírios de um início de relacionamento? Deixando-se envolver totalmente pelos encantos do outro, vivendo a vida do outro?
No outro extremo, qual seria a razão? Se eu tivesse a certeza de um amor verdadeiro e de repente este acabar em nada?
 
O amor precisa ser cultivado, cuidadosamente zelado, carinhosamente aquecido.
O amor protege suavemente e jamais sufoca.
O verdadeiro amor sabe que ninguém pertence a ninguém, e por este motivo não perde a sua individualidade. É original, autêntico, compreensivo e acima de tudo, respeita o outro e também a si mesmo, e permanece firme em si, sem espaço para o egoísmo ou orgulho.
Como pode um relacionamento dar certo se este não for cultivado? Como dois seres podem encontrar a felicidade se confundem amor com apego?
 Neste momento, deixa-se de acreditar na Grandeza do Amor.
Cultive o amor em seu interior com suavidade, sem egoímo e apego. Não permita que o orgulho e o egoísmo lhe consuma a alma e lhe impeça de viver os melhores momentos de sua vida.
O orgulho e o egoísmo são as raízes de todos os males: o ser humano é egoísta demais para dar e orgulhoso ao extremo para receber. Isso é triste, pois impede de encontrar e manter os amores em nossas vidas, principalmente nosso amor próprio.
Ame você mesmo, ame o outro e deixe-se amar."

10 comentários:

cristal disse...

Amei! É isso mesmo, quando se diz que dois são apenas um é porque um está se anulando... Um está deixando de lado suas vontades suas necessidades, em nome do "amor" pelo outro! Mas quando não nos amamos, não respeitamos nossa individualidade ou a do outro, há grande chance dos castelos de areia se desmoronarem... Aquele que faz demais, um dia vai cobrar e o que é sufocado com certeza um dia desistirá.Todo o tormento de um relacionamento que não nos faz bem está diretamente ligado ao apego, como voce bem descreveu... Creio que o "amar" a si próprio deve ser o caminho para que possamos encontrar o "amor verdadeiro", incondicional, sem cobranças... Um sonho!!! bjs!

Aracélie disse...

Dentre as inúmeras coisas que tenho aprendido nessa vida, uma foi fundamental.
APRENDER A ME AMAR
Lamento ter demorado tanto,...Quanto sofrimento em vão.
Ninguém ama ninguém, quando não se ama.
Não estou falando desse amor egoísta tão em voga. Mas daquele amor onde vc se cuida, se protege.
Onde o outro é complemento e não o principal. Amor que respeita seus sonhos e suas necessidades.
Em algum momento da minha juventude alguém deve ter falado ou escrito sobre isso, não ouvi, nem li. Perdi a oportunidade de saber cedo, massss NUNCA É TARDE.
Estou aproveitado agora.
bjs

luizlanza disse...

Como sempre faço, leio seu blog pelo menos 3 vezes por semana e sempre acho muito interessante e me identifico com o que vc escreve e pensa.Olha essa frase de Barbosa Filho.
" O amor é um sentimento sublime; supera os problemas e diferenças, resiste ao tempo e se fortalece com a distância. Difícil fugir, impossível esquecer".
Barbosa Filho

Anônimo disse...

Perfeito
Como dizem
O amor nao e a junçao de duas metades e sim a uniao de duas unidades

Evani Moreira disse...

O amor envolve admiração,respeito, confiança e perdão. Você precisa ver no outro, elementos que te deslumbram, você precisa respeitar o jeito e o espaço do outro, você precisa confiar, perdoar... o mesmo você merece receber. Não aceite menos que isso.Os dois precisam estar dispostos a lutar para permanecerem juntos...são tantas pressões internas e externas que requer esforço árduo de ambas as partes. Felicidade a quem persevera! Como disse Oswaldo Montenegro: "Cuidar de amor exige mestria".
Um abraço a todos.

Juliana Castelo disse...

O amor é belo!
Abraços Fernando.

Rafaela, Aquela que Deus curou disse...

Concordo plenamente Fernando, a unidade só existe realmente quando eu passo a respeitar o outro, e isso começa ainda lá na paquera. Quando idealizamos demais perdemos a sensibilidade de ver se a outra pessoa nos respeita ou não, se sabe valorizar nosso sentimento ou se está só se vangloriando de saber que somos apaixonados por ela.

Anônimo disse...

Isso mesmo Fernando. Além do mais, quando algo é bom demais, o santo desconfia.
Bj
Gabriela B.

Jonice disse...

E o amor não passa nem perto da necessidade de controlar ou modificar. Não é nem minimamente parecido com apego ou necessidade. Amor é só amor. Como você disse, existe para ser belo. Obrigada por estas lindas reflexões, Fernando!

B.
Jo

Anônimo disse...

Tenho lido seus textos há pouco tempo, mas a cada leitura tenho refletido muito sobre minha vida e atitudes.
Esse texto é belíssimo, e o amor só vive baseado na confiança, respeito e consideração. Mas antes é preciso nos amarmos. É uma caminhada difícil econtrar o amor a si mesmo, mas muito necessária para viver um relacionamento. Penso que muitas pessoas passam por isso. Mas é preciso lutar e cultivar o amor a si, para depois surgir naturalmente um desdobramento desse amor para a pessoa com a qual nos relacionamos.
abraços
Neli